Muito Feliz Por Ter V♥cês AQUI!

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

História do Hino "Sim Eu Te Seguirei"



Letra: Susan Evans McCloud, n.1945
Música: K. Newell Dayley, n.1939
Referências: João13: 34-35
I João 3:16-19; 4:21

“Sim, eu te seguirei”, é a oração de alguém que procura amar e imitar Jesus Cristo. Socorrer o irmão aflito, não entregar-se a julgamentos, cuidar do irmão que sofre... quando cantamos este hino, pedimos ao Senhor que nos abençoe com a oportunidade e a vontade de cumprir esses papéis que nos tornem semelhantes a Cristo.
Se, verdadeiramente amamos o Salvador, desejaremos ser como Ele é. Quais são as características do amor que ele mostrou-nos? Como podemos ser iguais ao Salvador? Este hino especifica algumas maneiras importantes: “Socorrer o irmão aflito”, resistindo a tentação de julgar apressadamente; mostrando um coração brando para com “o irmão que sofre”, e para com o “fraco e ferido”; e seguindo o exemplo do Salvador, “como tu amaste a mim”.
A autora deste hino, Susan Evans McCloud declarou que sentiu a necessidade de um hino que falasse de amor pelo semelhante e de compaixão, da necessidade de sermos iguais a Cristo quando tratamos nosso semelhante. Ela descreveu seus sentimentos ao compor este hino: “Tentei pensar naquelas ocasiões preciosas para mim, quando obtive o testemunho do sacrifício do Salvador por nós e do amor pessoal e individual de nosso Pai Celestial. Queria que o hino mostrasse ternura e ao mesmo tempo, convicção. Pensei em como me senti, quando minha irmã mais nova perdeu seu bebê de três meses de idade e quando ela me pediu que fosse com ela, no dia seguinte, comprar um vestidinho para o funeral. Senti naquele momento intensa necessidade de ternura em meu relacionamento com meu semelhante; ansiava por ternura em todas as pessoas que encontrava pelo caminho, desejando que de alguma forma, pudessem saber da dor que não demonstrávamos. Estes sentimentos tornaram-se o espírito do hino, correlacionando-se com as palavras: “Nos recônditos da alma, dores há que não se vêem” (verso 5).

Nenhum comentário:

Postar um comentário