Muito Feliz Por Ter V♥cês AQUI!

sábado, 25 de abril de 2009

A Canção da Mamãe


SHEILA KINDRED
Inspirado numa história real

Susana acordou num sobressalto. Que barulho era aquele? Apurou os ouvidos. O vento uivava entre os eucaliptos e arremessava com força as sementes no telhado de seu quarto. O barulho que eles provocavam era parecido com o de chuva pesada, e isso a tinha acordado.
Susana suspirou. A família tinha acabado de mudar-se para essa casa, e ela ainda não se acostumara com os novos sons. O fato de ter um quarto só para ela não lhe serviu de consolo. Na outra casa, ela dividia o quarto com a irmã mais velha.
Puxou os cobertores até o queixo, enquanto outra ‘chuva’ de sementes atingia o telhado. Estava assustada, sozinha e morria de saudades do pai. Ele era oficial militar. Estava longe de casa, participando de um treinamento.
Embora não corresse perigo, Susana sentiu um medo repentino. E se algum dia o pai fosse enviado para a guerra e morresse? Ela não queria crescer sem ter o pai ao seu lado. Precisava tanto dele!
Lágrimas brotaram-lhe dos olhos, e Susana sentiu que precisava de ajuda para acalmar seus temores. A irmã não estava ali perto, mas ela sabia que Jesus e o Pai Celestial sempre estavam ao lado dela.
Juntando toda a sua coragem, Susana escorregou para fora das cobertas e se ajoelhou ao lado da cama. Em sua oração, pediu ao Pai Celestial que a ajudasse e que afastasse o medo.
Foi quando Susana ouviu algo. Um som mais suave que o que vinha do telhado. Era a voz de sua mãe, e ela cantava. Enquanto caminhava pela casa, terminando as tarefas caseiras e se preparando para dormir, costumava cantar.
A mãe de Susana tinha uma linda voz e estava sempre cantando, mas essa era a música mais linda que Susana já ouvira! Embora Susana não conhecesse a melodia, a letra falava de Jesus, e a
música trouxe-lhe uma agradável sensação
de paz.
Susana agradeceu ao Pai Celestial e pulou para cima da cama, ouvindo ainda a voz da mãe. Novamente sentiu que ia chorar, mas, dessa vez, eram lágrimas de gratidão e consolo. Tudo estava bem novamente. Ela sabia que tinha uma família maravilhosa.
Sabia que o Pai Celestial Se importava com ela. Ela acreditava que, não importa o que aconteça,
há sempre um motivo para ter esperança. Também sabia que, sempre que ficasse amedrontada, poderia sentir paz, recordando a noite em que a música que sua mãe cantara tinha sido mais
forte que o temor.
“Louva ao Senhor com cânticos” (D&C 136:28).

Nenhum comentário:

Postar um comentário