Muito Feliz Por Ter V♥cês AQUI!

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Por que Devemos Ensinar a Palavra de Deus


Quando estava pregando aos zoramitas, Alma falou com um grupo de pessoas cujas aflições as haviam preparado para receber a palavra de Deus. 
Ele ensinou-as sobre o poder da palavra. 
Ao estudar seu relato, podemos entender melhor por que devemos usar a palavra de Deus como base de todo o nosso ensino do evangelho. 
Ele comparou a palavra a uma semente que pode ser plantada em nosso coração.
Se você já cuidou de um jardim, deve ter percebido que as sementes que planta, ainda que bem pequenas, podem desabrochar pouco tempo depois de receberem um pouco de umidade. A energia de uma semente é tão grande que pode até mesmo abrir caminho em meio ao solo ressecado para fazer vir à luz seu primeiro broto. 
É isso que acontece quando “[damos] lugar” para a palavra de Deus ser plantada em nosso coração. Se não a rechaçarmos — ou, em outras palavras, se não opusermos resistência ao Espírito do Senhor — a semente começará a inchar e a crescer. 
Alma disse: “Ela começará a inchar em vosso peito; e quando tiverdes essa sensação de crescimento, começareis a dizer a vós mesmos: Deve ser uma boa semente, ou melhor, a palavra é boa porque começa a dilatar-me a alma; sim, começa a iluminar-me o entendimento; sim, começa a ser-me deliciosa”. (Alma 32:28) 
Quando isso acontece conosco, sabemos que a semente, ou a palavra de Deus, é boa: Mas eis que quando a semente incha e brota e começa a crescer, então deveis dizer que a semente é boa; (…) E agora, eis que por haverdes feito a experiência e plantado a semente que inchou e brotou e começou a crescer, deveis forçosamente saber que a semente é boa”. (Alma 32:30, 33) 
Pouco depois, Alma disse: “Se (…) cultivardes a palavra, sim, cultivardes a árvore quando ela começar a crescer, com vossa fé, com grande esforço e com paciência, esperando o fruto, ela criará raiz; e eis que será uma árvore que brotará para a vida eterna” e dará um fruto “sumamente precioso”.
(Alma 32:41–42)
Fonte: Ensino, Não Há Maior Chamado

Nenhum comentário:

Postar um comentário